Fintech as a Service: o futuro das transações já está aqui

Mais do que uma tendência, a modalidade Fintech as a Service está conquistando o mercado com o uso revolucionário da tecnologia e provando que o setor financeiro pode ser inovador, transparente e focado na experiência do cliente

Peterson F. dos Santos

Peterson F. dos Santos

November 23, 2021 | leitura de 7 minutos

business

Se a praticidade e a inovação pareciam características impossíveis de serem associadas ao segmento financeiro no passado, hoje a realidade é bem diferente. Com o uso de tecnologias inéditas, a modalidade Fintech as a Service (FaaS) é a responsável por levar novos conceitos ao setor, como transparência, segurança, atratividade e experiência do cliente aprimorada.

Também chamada de FaaS, Fintech as a Service é uma solução que aparece, cada vez mais, como uma resposta inevitável para o segmento financeiro. Startups desse tipo oferecem serviços financeiros e produtos digitais personalizados para empresas que precisam melhorar ou implementar soluções de pagamento, crédito, investimento e gestão em seus modelos de negócio. 

Da criação de produtos aos testes e à adequação a normas de funcionamento, as empresas que oferecem FaaS tornam possível que seus clientes não se preocupem com o desenvolvimento ou com a regulamentação das soluções que adotam. Além disso, a constante e inevitável transformação digital, acelerada ainda mais pela pandemia da COVID-19, está colocando Fintech as a Service na mira de grandes empresas e impulsionando o surgimento de novas oportunidades no mercado. 

O promissor mercado de Fintech as a Service

Embora o uso de tecnologias no segmento financeiro não seja uma novidade, a crescente transformação digital das empresas vem acompanhada, também, de novas exigências para trocas de informações e redução de custos de transações. 

Por esse motivo, Fintechs as a Service estão se multiplicando nos últimos anos: um relatório da IndustryARC estima que o mercado de fintechs atingirá o valor US$ 161 bilhões até 2026! O motivo por trás desse aquecimento no setor é justamente o fato de que as tecnologias digitais estão remodelando formas de pagamento, gestão, crédito, seguros e empréstimos. 

A alta demanda de plataformas FaaS pode ser explicada, também, pela sua capacidade de atender às necessidades de empresas de diferentes segmentos e de oferecer diversos serviços e produtos capazes de se adaptar às demandas dos clientes. Logo, as soluções de pagamento que desenvolvem são altamente procuradas: de acordo com uma pesquisa do hub de inovação Distrito, existem 742 fintechs no Brasil, e cerca de 16,4% delas são do tipo FaaS. 

Principais tendências do setor de fintechs

O mercado de Fintech as a Service está aquecido, e as possibilidades são inúmeras, mas, na hora de criar uma plataforma FaaS, é preciso levar em consideração, também, as tendências do setor. 

Para instituições financeiras tradicionais, as fintechs podem oferecer softwares integrados por meio de APIs (Application Programing Interface) que se comunicam diretamente com as operações dos bancos, enquanto para empresas fora do segmento bancário podem ser se beneficiar de produtos digitais e serviços que solucionam problemas cotidianos, como plataformas seguras de pagamento. Confira as principais tendências do setor de FaaS:

  • Pagamentos instantâneos: o uso de QR Codes para a realização de pagamentos é uma das grandes promessas do setor de fintechs. O código de barras bidimensional pode ser lido por qualquer aparelho móvel com uma câmera, tornando smartphones verdadeiros dispositivos bancários. Essa solução é ainda mais promissora quando se leva em consideração que o Brasil é um dos cinco países com maior número de smartphones: um estudo da Newzoo estima que existam mais de 109 milhões de dispositivos móveis por aqui! 

  • Open Banking: essa é a grande aposta do segmento de Fintech as a Service! Na solução, clientes permitem o compartilhamento de seus dados e suas informações entre instituições autorizadas pelo Banco Central para que os produtos e serviços oferecidos se adequem às suas necessidades de forma personalizada. Para os clientes, o sistema financeiro aberto permite um maior controle sobre seus dados, enquanto as empresas que contratam o Open Banking de plataformas FaaS veem como vantagem a possibilidade de aumentar sua base de dados, já que receberão também as informações de concorrentes.

  • Blockchain: o sistema se baseia no rastreamento e compartilhamento de informações de forma rápida, segura e transparente. Foi a tecnologia blockchain que permitiu o surgimento das criptomoedas, mas ela também pode ser usada para a criação de outros produtos digitais inovadores, transações financeiras, validação de documentos, processamento de pagamentos e combate a fraudes. Explorar as possibilidades da blockchain para criar uma FaaS é uma boa oportunidade de inovar. 

  • Invisible Bank: ir ao banco, pegar filas e encarar muita burocracia já é coisa do passado. O invisible bank permite aos consumidores se conectarem com os bancos de forma inteligente através de inteligências artificiais, APIs conectados a assistentes de voz e cloud computing. Com esta solução, as transações acontecem inteiramente online, sem exigirem esforço, reduzindo custos para instituições financeiras e clientes. 

O futuro do mercado financeiro é agora

Pode até parecer que as tendências do universo de Fintech as a Service saíram de um filme de ficção científica, mas na verdade elas já são uma realidade concreta. E mais: as possibilidades não estão restritas a meios de pagamento! Há fintechs que, além de oferecerem soluções de pagamentos e contas digitais, contam com um sistema de rastreamento de encomendas. 

Empréstimos peer-to-peer, moedas digitais, crowdfunding e inteligências artificiais que adotam o papel de assistentes financeiros: as fintechs estão enterrando velhos modelos de negócio e revolucionando o setor com iniciativas inéditas. Já existem, no mercado, FaaS focadas em melhorar a concessão de crédito a produtores rurais, outras que se dedicam a oferecer benefícios corporativos a funcionários de uma empresa e algumas, ainda, que comparam valores de seguros em diferentes corretoras e disponibilizam opções personalizadas. 

Na hora de criar uma Fintech as a Service, é importante levar em consideração o segmento para o qual deseja desenvolver uma solução. Empresas de diferentes setores têm apostado, cada vez mais, na contratação de FaaS para incorporarem inovação em seus modelos de negócio.

O setor de varejo, por exemplo, está no meio de uma revolução impulsionada pela adoção de pagamentos digitais. Já o segmento industrial caminha para a implementação de contas digitais para colaboradores, parceiros e fornecedores que atuam na sua cadeia de produção. 

Se tem algo que pode ser dito sobre Fintech as a Service é que o futuro é agora. O número de fintechs no Brasil vem crescendo exponencialmente: segundo dados do relatório da Distrito, o aumento foi de 34% de 2019 para 2021. Por isso, ficar de fora desse movimento pode virar um grande arrependimento depois. 

Pensando em entrar no mercado de Fintech as a Service? Conte com a ateliware para criar uma plataforma FaaS sob medida. Afinal, a história da Trio - com sua API construída para auxiliar empresas inovadoras a acessar dados bancários dos seus clientes de forma simples e segura - começou aqui. Orientada pelo design e pela tecnologia, a ateliware é o lugar ideal para o desenvolvimento de produtos digitais financeiros.

A fintech que nasceu na ateliware

A Trio é uma spinoff da ateliware que nasceu com o objetivo de atuar na transformação do ecossistema financeiro através do Open Banking. Com foco na segurança de dados e na tecnologia, tudo parte do consentimento seguro de acesso a dados bancários do cliente, fornecendo a empresas a chance de criar experiências financeiras únicas. Construindo esta "ponte" entre os dados e a empresa, as possibilidades são muitas: de conciliação bancária automática e redução de fraudes a um motor de crédito mais inteligente, tudo de forma plug&play, deixando a papelada para trás.

Hoje é sabido que 90% dos clientes estão dispostos a compartilhar dados em troca de melhores experiências de consumo e serviços. Por isso, a Trio buscou estrategicamente atuar na evolução do Open Banking, o Open Finance, trazendo mais do que bancos, mas também empresas para dentro do setor financeiro, traduzindo o conceito de FaaS. Exemplo: um dos clientes da Trio, a Questor Sistemas, utiliza o Banking API para entregar automatização na conciliação bancária e na gestão contábil.

A Trio é capitaneada pelo ex-CTO Peterson F. dos Santos e conta com investimento dos anjos Maria Teresa Fornea (VP de Home Equity da Creditas) e Fabiano Rochaloures (Head of BizDev na Mambu), além de estar, no momento, em rodada de Venture Capital. Também participa do programa de inovação da ELO.

Para saber mais sobre a Trio, basta clicar aqui.

Referências
Distrito
Flint
Consumidor Moderno
ComputerWeekly.com.br
Lvivity
BIS
BIS
IndustryArc
International Banker
FGV
Exame
G1
InfoMoney
BCB
HT Tech
IBM
Transfeera
Wharton School
Peterson F. dos Santos
Peterson F. dos Santos

Founder at ateliware | Artesão de software, interessado em programação, open source, produtos digitais e internet.

LinkedInGithubTwitter