Como criar experiências para o varejo físico e digital com a tecnologia?

Não faz mais sentido discutir se as fronteiras entre o varejo físico e virtual existem ou não. A conclusão é óbvia: tudo está conectado e, agora, o que diferencia as empresas do setor é o quanto elas já aderiram à transformação digital. Entenda como a tecnologia no varejo está atrelada às experiências oferecidas no ambiente online hoje.

Diego Silvi

Diego Silvi

July 15, 2021 | leitura de 6 minutos

business

Os últimos anos moldaram novas formas de se relacionar, consumir e ter experiências. A pandemia vivida globalmente acabou com as fronteiras que ainda restavam entre o digital e o físico, estimulando ainda mais o consumo virtual e exigindo de todos adaptação em tempo recorde. 

Aqui, onde chegamos, não existe mais volta. Não existe mais pensar em um mundo "como antes". Nada voltará a ser como era - nem mesmo você.

Isso significa que empresas que estavam inseridas no ambiente online saíram na frente e, aquelas que ainda não haviam começado o processo de Digitalização e Transformação Digital, tiveram que correr para não ficar para trás.

As transformações não param. Por isso, reunimos neste post algumas reflexões e também mostramos como a tecnologia auxilia, como nunca visto antes, a criação de novas experiências no varejo físico.

O consumo não é mais o mesmo.\

Na verdade, ele está em constante mudança, inclusive enquanto você lê este texto.

Acompanhar a velocidade das mudanças nas tendências de consumo é desafiador. Não é novidade que o mundo conectado possibilita novos formatos, dá poder aos consumidores e apresenta novas ferramentas de consumo a todo o tempo. 

Com a pandemia global essa velocidade frenética foi ainda mais impulsionada, em um cenário onde todos, sem exceção, tiveram que se adaptar em tempo recorde a uma realidade mais do que urgente, imposta. Não havia opção a não ser apresentar alternativas para o mundo como conhecíamos. 

A digitalização explodiu durante o último ano e a aceleração de tendências que estavam dando seus primeiros passos, crescendo numa velocidade natural ou que ainda esbarravam em mercados mais tradicionais, foi impressionante. O comércio eletrônico foi abraçado por aqueles que ainda resistiam, a jornada de compras na estratégia omnichannel teve que ser ainda melhor amarrada, a integração entre os canais de consumo e comunicação não era mais um diferencial para as marcas, se tornou necessidade.

Em 2020, o setor de e-commerce no Brasil cresceu 73,88% em comparação com o ano anterior, e 56% dos consumidores tiveram, no mesmo ano, a primeira experiência com compras online.

Conhecendo as vantagens e comodidades encontradas no ambiente digital, o consumidor não se contentou. Hoje, espera do varejo das lojas físicas e dos setores de serviços, o mesmo tipo de facilidade na busca por preços e informações, a gama interminável de opções, a eliminação das fricções de comunicação e de consumo, e uma experiência de compra cada vez mais rápida e personalizada para as necessidades que tem.

Como isso faz parte da Transformação Digital no varejo?

Para atender, no mundo físico, às conveniências e facilidades encontradas no digital, empresas precisam entender as dinâmicas que podem ser adaptadas e contar com a criação de novas formas de atendimento, venda e entrega.

A tecnologia, como já era de se esperar, é grande aliada nesse processo. Ela elimina as fronteiras entre mundo físico e ambiente virtual. Não faz mais sentido falar em divisão ou hierarquização depois da imersão que todos tivemos que fazer em tempos de pandemia. 

As empresas estão criando experiências para seus consumidores, tanto online quanto offline, a partir da tecnologia. Isso auxilia a atender essa demanda tão específica que encontramos hoje: o cliente no centro e no controle de tudo. E este é um dos pilares da Transformação Digital.

Como as empresas do varejo estão criando novas experiências de consumo?

Empresas que entendem o cliente como foco para o sucesso do negócio, não exploram esse pilar apenas no discurso. Ele faz parte da estrutura e das metodologias aplicadas, não só nos setores de marketing e vendas. Algumas companhias souberam muito bem como aplicar e criar novas tecnologias para entregar ao consumidor o que ele quer. Veja estes exemplos:

Magazine Luiza

Uma das mais tradicionais e principais empresas do varejo há anos, a Magazine Luiza, teve um crescimento estrondoso nos últimos tempos. A rede de lojas invadiu o ambiente online com um ecossistema digital multicanal que, somado aos pontos físicos, está omnipresente.

Hoje, muito mais do que uma empresa varejista, ela se tornou uma empresa de tecnologia --- o foco não está mais somente na venda de produtos, mas sim na oferta de uma experiência completa, com serviços e produtos digitais, além da integração das lojas físicas com ferramentas antes utilizadas apenas para o ambiente online. 

Foram feitas mudanças na forma de fazer publicidade, entregas e pagamentos. Com isso, a rede se faz presente em todos os momentos da jornada de compras.  

Os projetos de Transformação Digital no varejo da empresa incluem o Mobile Vendas e a plataforma de Marketplace, ambos com backend muito robusto para dar conta dos acessos e quantidade de páginas de produtos. 

Mais do que isso, o grande trunfo da empresa foi associar serviços relacionados ao comércio, criando produtos digitais próprios que os atendessem, como é o caso do MagaluPay (aplicativo para digitalização do pagamento e conta digital), ou abrindo a plataforma para que empresas terceiras e parceiras possam construir soluções no ecossistema Magazine Luiza, garantindo que o usuário possa resolver tudo o que precisa sem sair do mesmo aplicativo.

Under Armour

Empresa americana de roupas, acessórios e equipamentos esportivos, a Under Armour é outro exemplo de empresa que explorou a tecnologia para associar plataformas de experiências para os consumidores à venda de varejo.

A rede comprou, por USD $485 milhões de dólares, o MyFitnessApp, um aplicativo gratuito de hábitos de exercício e alimentação. Ao investir alto (muito alto!) para oferecer serviços sem custos para os consumidores, a empresa cria uma base de contatos qualificada, com interesses alinhados com a proposta de varejo esportivo. Com o app, também se torna possível entender e analisar dados relevantes de cada consumidor individualmente, o que possibilita oferecer uma jornada de compras com foco no usuário e nas necessidades e interesses que ele tem. Bacana, né?

Estes são apenas dois exemplos de como o futuro do varejo está sendo moldado com o apoio da Transformação Digital. Já parou para pensar no que ela pode fazer pela sua empresa?

A tecnologia no varejo tem seu papel fundamental nos tempos em que vivemos. O desafio de integrar o físico e o digital pode e deve explorar essa ferramenta tão presente na criação de soluções omnichannel e nas novas estratégias de negócio.

Quer destacar a história da sua marca nesse cenário? Envolva o consumidor com o digital, colocando-o no centro das atenções, oferecendo a sensação de controle que ele tanto anseia. 

E claro: conte com nossa expertise em tecnologia e negócios para adentrar neste novo universo.

Diego Silvi
Diego Silvi

Business Development | Uma boa cerveja, um bom café, ciência, tecnologia, religião, política, e tudo aquilo que nos tire da monotonia.

LinkedIn