Wireframes: eficiência na concepção de estruturas de interface

Para lançar um produto digital mais assertivo em relação a sua interface, bem como a experiência do usuário é necessário ter agilidade para criar e realizar ajustes. Com isso em mente vamos abordar uma ferramenta poderosa: os wireframes. Entenda a seguir como estes ajudam no pontapé inicial para o design de interfaces em produtos digitais.

Fabiano Favretto

Fabiano Favretto

August 03, 2021 | leitura de 5 minutos

design

Wireframes são ferramentas que nos ajudam a iniciar a construção de interfaces de um produto digital. Com eles, podemos criar de maneira rápida a disposição dos elementos em uma interface, bem como a arquitetura de informação, por exemplo. Sejam feitos em papel ou em dispositivos digitais, os wireframes são uma etapa fundamental para a criação de produtos digitais.

O que são wireframes?

Wireframes são basicamente desenhos onde são definidas as estruturas e componentes básicos de uma interface. São uma ferramenta poderosa e flexível, e varia de acordo com o projeto em que está sendo aplicado.

A criação do UX/UI Design de um produto digital requer muita assertividade. Para isso é necessário levar em conta todas as necessidades do usuário, colocando-as como pontapé inicial para esta criação. 

É praticamente inviável criar interfaces com um alto grau de complexidade em um primeiro momento, devido ao tempo empregado para a realização e ajustes das mesmas. Para potencializar a agilidade e assertividade do produto, os wireframes são essenciais, pois facilitam rápidas tomadas de decisões para mudanças tanto no que se diz respeito à arquitetura de informação, quanto na experiência do usuário. 

Utilizar wireframes permite ao designer executar mudanças rápidas e eficazes, antes de partir para o desenvolvimento de uma interface de alta fidelidade.

photo-1618788372246-79faff0c3742_Easy-Resize.com.jpg

Os wireframes são o pontapé inicial para a definição de estruturas de design, pois possuem um caráter de rascunho, facilitando assim o desapego. 

Imagine por exemplo, que após um processo de research ou discovery o designer traz os insights e ideias decorrentes dessa descoberta e cria uma interface com alto grau de complexidade, aplicando acabamentos refinados como cores, sombras, imagens etc. 

Certamente este primeiro desenho terá muitas e muitas alterações no decorrer do desenvolvimento visto que, ainda será necessário por exemplo, teste com usuários, validações técnicas e com os stakeholders. 

Realizar mudanças em uma interface complexa requer bastante esforço e tempo, sem contar que "desapegar" de uma criação de design nem sempre é fácil, não é mesmo? Brincadeiras à parte,  wireframe é a ferramenta que permite que ajustes rápidos sejam realizados, pois são desenhados de maneira simples (muitas vezes em papel), sem muitos detalhes, facilitando validações e correções, e possibilitando aprovações rápidas com a equipe e stakeholders.

Amassar uma folha de papel onde um wireframe está desenhado e logo em seguida investir tempo em uma nova ideia que venha a atender o objetivo final que é corresponder às necessidades do usuário é o melhor caminho para uma solução eficaz.

Composição de um wireframe

Por ser uma estrutura simples, o wireframe não precisa possuir a fundo o detalhamento das informações. Em uma interface de desktop, por exemplo, podemos ter cabeçalhos, áreas laterais, áreas de conteúdo e rodapés. Elementos como botões, áreas de textos e de imagens também podem ser utilizados na criação. 

Numa interface para mobile, elementos como cabeçalho, botões, barras de menu e áreas de conteúdos podem ser exibidos nos wireframes. A ideia geral, neste caso, é conseguir entender e construir a organização destes elementos no layout de uma maneira simples, porém efetiva, levando em conta todo o conhecimento e insights anteriormente levantados. É a partir destes rabiscos que decisões de fluxos e detalhamentos de experiência do usuário assim como de estética serão tomadas futuramente. 

No vídeo abaixo é possível observar a criação de um wireframe com vários elementos simples:

Wireframes VS. Mockups VS. Protótipos

É bem comum ocorrer uma confusão entre estes três elementos, mas cada um tem uma função específica dentro do desenvolvimento de um produto digital. 

Os wireframes, como já dito anteriormente, são indicados para a concepção inicial do design das interfaces do produto e possuem baixa fidelidade e são estáticos, já os mockups possuem mais detalhes (média/alta fidelidade) e uma maior complexidade e também são estáticos. Os protótipos, que geralmente são os mais confundidos com os wireframes, podem ser de baixa/média/alta fidelidade, porém o que diferencia é que os protótipos são dinâmicos e possibilitam a testagem do produto em diversas etapas da sua concepção. Por exemplo pode utilizar-se de protótipos de wireframes para interações mais simples com o usuário (mapeamento de fluxos, arquitetura de informação, etc), como também pode utilizar-se de protótipos de mockups para apresentar uma experiência mais fiel e condizente com o produto a ser lançado (testes de usabilidade, interações, etc). Resumindo:

  • Wireframes: Indicados para concepção inicial das telas para o usuário; Baixa fidelidade e estático.
  • Mockups: Média/alta fidelidade e é estático;
  • Protótipos: Baixa/média/alta fidelidade e possui interatividade; Facilita os testes com usuário.

photo-1600132806608-231446b2e7af_Easy-Resize.com.jpg

Quer saber mais sobre protótipos? Clique aqui e acesse nosso conteúdo sobre protótipos em produtos digitais.

Digital VS. Papel

Seja no meio digital ou seja no papel, o importante no final é aproveitar a ajuda proveniente dos wireframes para a construção de um produto digital de excelência.

Existem hoje algumas ferramentas ajudam na construção destes wireframes digitais, como por exemplo o Miro e o Wireframe | cc, o importante é não se "perder" com as facilidades do digital e criar wireframes digitais simples, e para isso basta seguir os princípios citados anteriormente. Não se esqueça que os wireframes são ferramentas essenciais para tomadas de decisões quando o quesito é iniciar uma interface, abstrair e colocar em prática ideias que estão em nossa cabeça. A possibilidade de rápida alteração e de ajustes torna-os como elementos imprescindíveis na construção de um produto digital.

Referências

https://rockcontent.com/br/blog/wireframes/\ https://www.youtube.com/watch?v=miVcrftnhzM&ab_channel=NNgroup\ https://medium.com/aela/wireframe-o-que-%C3%A9-e-como-criar-seu-primeiro-fab2fdecbb56\ https://neilpatel.com/br/blog/wireframes-o-que-sao/\ https://www.digitalhouse.com/br/blog/o-que-e-um-wireframe-no-ux\ https://www.youtube.com/watch?v=X2CbeBojKVM&ab_channel=NNgroup

Fabiano Favretto
Fabiano Favretto

UX/UI Designer | Café sem açúcar, música, usabilidade e um bom livro. A arte me move e o Design me puxa.

LinkedInInstagram